Isto petista não vê, nem reclama

dilma-lula-belem-2014-09-10-size-598A TV Rede Brasil Amazônia e a Rádio Clube do Pará pertencem à família de Jader Barbalho. Ambas têm como sócio Helder Barbalho, filho de Jader e candidato do PMDB ao governo paraense, e estão sendo utilizadas por ele “para fazer propaganda eleitoral irregular”, segundo a Procuradoria Regional Eleitoral do Pará, que pede a suspensão das emissoras por 48 horas.

Não vi um só petralha de mierda querendo “democratizar” as emissoras, afinal, es aliado, es perfecto!

Fonte: Josias de Souza

 

Isso sim é que é interação com o crime: “Governo do Amazonas negocia apoio de traficantes para o 2º turno”

Jose-Melo-size-598O subsecretário de Justiça e Direitos Humanos (órgão responsável pelo sistema penitenciário no estado do Amazonas), major Carliomar Barros Brandão, vai ao Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), maior unidade prisional do Amazonas, e se reúne com o maior traficante do estado, negociar o apoio das quadrilhas ao candidato à reeleição, o atual governador José Melo (PROS), no segundo turno das eleições.

- “Vamos apoiar o Melo, entendeu? A cadeia…vamos votar minha família toda, lá da rua, entendeu? Não tem nada não, a gente não conhece o Melo (trecho inaudível), a gente quer dar um alô, que ele não venha prejudicar nós. E nem mexer com nós”, diz o traficante José Roberto Fernandes Barbosa, conhecido como Zé Roberto

- “A mensagem que ele mandou para vocês, agradeceu o apoio e que ninguém vai mexer com vocês, não”, responde o subsecretário de Justiça.

Simples assim!

Leia a reportagem de Leslie Leitão, na Veja.

 

Uma tremenda molecagem! – Ricardo Noblat

lula-petrob
Qual Lula é o verdadeiro? O bem educado que aparece no programa de propaganda eleitoral de Dilma na televisão, defende os 12 anos de governos do PT e, ao cabo, sorridente, pede votos para reeleger sua sucessora? Ou o moleque de rua que pontifica em comícios país a fora, sugerindo, sem ter coragem de afirmar diretamente, que Aécio é capaz, sim, de dirigir embriagado, agredir mulheres e se drogar?

O segundo é o mais próximo do verdadeiro Lula. Digo por que o conheço desde quando era líder sindical. Lula é uma metamorfose ambulante. Não foi ninguém quem o disse, foi ele quem se rotulou assim.

A esquerda tudo perdoaria a Lula desde que chegasse ao poder. Chegou, cavalgando-o. Uma vez lá, se corrompeu. Quanto a ele… Não sabia de nada. Nunca soube.

Justiça seja feita a Lula: por desconhecimento de causa e preguiça, ele jamais compartilhou as ideias da esquerda. Assim como ela se aproveitou dele, Lula se aproveitou dela. Um casamento não por amor, mas por interesse.

Leia Mais

 

Eder Moraes confirma que Ararath começou com Blairo Maggi, por causa da má gestão de Pagot

Maggi-e-Pagot_dentro(Blog do Antero) Em depoimento prestado ao Ministério Público e com trecho publicado no site Folhamax, o ex-secretário de Blairo Maggi Éder Moraes confirmou que a Operação Ararath – (lavagem de dinheiro, usando o BIC Banco) começou no governo Blairo Maggi, em função de um descontrole de Pagot que estourou o orçamento da Sinfa em mais de R$ 100 milhões de reais e recorrer ao BIC Banco foi a única forma de pagar as empreiteiras.

Confira as declarações de Éder, onde ele responsabiliza Pagot por descontrole de gestão e ter estourado o orçamento, iniciando um longo processo de lavagem de dinheiro:  “Eu fui chamado em uma discussão na Sinfra [Secretaria de Infraestrutura] , o Luiz Antônio Pagot, o Vilceu Marchetti, Ezequiel, nessa época era presidente do MT Fomento, em 2005 para 2006, e houve ali na ânsia de se fazer obra, e a Sinfra acelerou muitas obras no Estado de Mato Grosso, muitas mesmo, e muitas não foram acompanhadas do devido processo legal, chegando a final do exercício, por volta de novembro e dezembro, verificou-se que faltava próximo de R$ 140 milhões”.     

A matéria confirma que a prática sugerida por Éder transformou-se em rotina do Estado e foi muito usada no governo Silval Barbosa.

 

Só sobra o Brasil do PT para financiar o bolivarianismo

Excelente texto do Rodrigo Constantino, que demonstra a importância desta eleição não só para o Brasil, mas para todo continente. Como há tempos acabou a ajuda soviética para os socialistas daqui, e seu substituto eram os petrodólares venezuelanos, e o valor do petróleo desabou no mercado internacional, sobrou o Brasil para financiar a ideologia no continente. Pois é, vencendo o PT, veremos muitos novos portos, aeroportos, usinas, etc nos países que defendem o “socialismo do século XXI”.

A tempestade perfeita do Foro de São Paulo? Ou: O que uma eventual vitória de Aécio pode significar para bolivarianismo latino-americano
Rodrigo-ConstantinoO socialismo foi derrotado na Guerra Fria. A utopia se mostrou, na prática, uma desgraça em escala colossal, levando milhões de inocentes à inanição, escravidão e morte. Não obstante, muitos se negaram a abandonar o sonho. Na América Latina, em especial, as viúvas de Lênin encontraram terreno fértil para plantar suas sementes da discórdia, para fomentar a luta de classes.

Em 1990, foi fundado o Foro de São Paulo por aqueles que desejavam resgatar na região o que havia se perdido no Leste Europeu. Lá estavam Fidel Castro, as Farc, o PT e tantos outros que ainda acreditavam no igualitarismo imposto pelo estado, na revolução socialista. A ilha caribenha era um dos poucos redutos sobreviventes do modelo pregado por eles.

Havia um problema: Cuba, que já era bastante pobre por conta das medidas socializantes, mergulhou na completa miséria quando a mesada soviética cessou. A União Soviética mandava mais de US$ 5 bilhões por ano para a ilha. Como manter sequer um simulacro de “conquistas sociais” sem essa ajuda financeira?

Ocorre que os aliados do Foro conseguiram chegar ao poder em vários países, usando a própria democracia contra ela mesma. São seus membros que reconhecem isso, como fez o ex-presidente Lula, atestando que vários países da região já são resultado do legado do Foro:

Aqui, em mensagem mais recente, Lula reforça os planos do Foro: Leia Mais

 

A destruição do país

Excelente artigo de Rubens Ricupero. Descreve a destruição do Estado causada por esse partido que atualmente nos governa.

Destruição sem retorno
Rubens-RicuperoA degradação da Petrobras, da Eletrobras e do BNDES nada tem em comum com a “destruição criativa” de Schumpeter. É pura terra arrasada, demolição sem criação. Custa a crer que um governo com pretensão de herdeiro de Getúlio se encarregue de dilapidar os três mais importantes legados institucionais do segundo governo Vargas.

A sanha exterminadora está longe de se deter nos três. Sofrem do mesmo efeito desagregador instituições como o Ipea, o Tesouro, até o IBGE, fundado no primeiro governo Vargas, afetado por escassez de recursos e divisões internas. Problemas similares comprometem a Embrapa e a vigilância sanitária do Ministério da Agricultura, setores vitais para manter a vantagem comparativa brasileira na exportação.

A lista poderia ser ampliada com os Correios, entre outros, mas esses exemplos bastam para mostrar que o fenômeno é generalizado. As causas é que não são as mesmas. Onde existe muito dinheiro, na Petrobras ou no Ministério dos Transportes, a fartura de queijo é que atrai os ratos.

Às vezes, o problema se origina no aparelhamento partidário, na incompetência de indicados políticos e na intromissão excessiva como nas agências reguladoras, que nem chegaram a se consolidar.

O Itamaraty é caso à parte. Sem projetos e obras tentadoras, sem verba para pagar luz e água de embaixadas prematuramente criadas, o velho ministério definha na austera, apagada e vil tristeza da desmoralização programada pelo governo.

Três flagelos o devastaram ao mesmo tempo. O primeiro foi a expansão megalomaníaca de embaixadas sem meios de utilizá-las de modo produtivo. Criamos anos seguidos cem vagas de diplomata como se as vacas gordas fossem durar para sempre. Não surpreende agora que mais de trezentos jovens diplomatas se revoltem frustrados ao descobrir a falta de perspectivas que os aguarda.

O segundo golpe desmoralizador provém de presidente sem apreço pela diplomacia e pelos diplomatas, aos quais não perde ocasião de demonstrar seu desdém. Nem na fase caótica da proclamação da República tivemos chefe de Estado que deixasse mais de 20 embaixadores estrangeiros esperando para apresentar credenciais como se fossem rebanho de gado.

Leia Mais

 

Estadão: Justiça manda blogueira se defender em ação do PT

Adriana Vandoni, economista, afirmou em seu blog que partido do governo “formou uma quadrilha”

10731613_561781193968352_374797950_nPor Fausto Macedo - Estadão

Em sua caixa de correspondências, a economista Adriana Vandoni, de Cuiabá (MT), recebeu quinta feira, 9, carta de citação judicial para – na situação de “parte requerida” -, apresentar defesa em processo que o PT move contra ela por “danos morais”.

O partido pede a condenação de Adriana a uma indenização de R$ 50 mil porque em seu blog Prosa & Política, no dia 20 de março de 2014 – três dias depois da deflagração da Operação Lava Jato – ela divulgou um vídeo em que criticou a compra da Refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, negócio que provocou prejuízo superior a US$ 1 bilhão à Petrobrás.

“Filiem-se ao PT, mas roubem muito”, disse Adriana, na ocasião. “Roube bilhões e bilhões de dólares.””

A citação, expedida pela 7.ª Vara Cível de Cuiabá (MT), chegou para Adriana no mesmo dia em que o ex-diretor de Abastecimento da estatal petrolífera, Paulo Roberto Costa, depôs à Justiça Federal em Curitiba (PR) e apontou a existência de suposto esquema de propinas para partidos políticos, entre os quais o PMDB, o PP e o PT.

Segundo Costa, 3% sobre o valor de contratos de algumas diretorias da Petrobrás eram destinados ao partido do governo.

“A citação estava na caixa de correspondências, sem assinatura de ‘recebido’”, relata a blogueira. “ironia do destino, mas exatamente no dia em que veio a público a gravação do depoimento de Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobrás, dizendo que parte da propina cobrada de fornecedores da estatal era direcionada para atender ao PT e foi usada na campanha eleitoral de 2010, recebo através do correio a citação no processo em que o PT nacional me cobra R$ 50 mil, por dano moral, por eu ter dito que o partido formou uma quadrilha.”

Ela tem 15 dias para apresentar defesa.

Embora sob pressão, Adriana Vandoni não recua e volta à carga. “É, vai ver eu precise mesmo pagar essa quantia como penitência por ter desmerecido a capacidade do Partido dos Trabalhadores. Eles não formaram uma quadrilha. Eles formaram uma máfia. Pelo depoimento dado pelo ex-diretor da Petrobrás, só a parte que veio ao nosso conhecimento agora pela imprensa, isso não é um partido, é uma organização mafiosa.”

Na ação, a defesa do PT argumenta. “É justamente a reputação e renome do autor (PT), prejudicados pelas afirmações da ré (Adriana), colocando a pessoa jurídica em situação de absoluta desconfiança e descrença perante seus associados, filiados e simpatizantes, o que traz, por óbvio, imenso abalo em sua honra objetiva.”

“Os comentários da ré demonstram de forma incontroversa a intenção, clara e gratuita, de macular a trajetória do Partido dos Trabalhadores , nascendo o ato ilícito indenizável”, sustenta o advogado Luiz José Bueno de Aguiar.

ASSISTA O VÍDEO EM QUE A BLOGUEIRA ADRIANA VANDONI CRITICA O PT E A COMPRA DE PASADENA

 

Ouça a íntegra do depoimento de Paulo Roberto Costa à Justiça Federal

paulo-roberto-costaEx-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, diz em depoimento à Justiça Federal, que indicações políticas na estatal são comuns desde o governo José Sarney e explica esquema de desvio de recursos públicos para políticos.

Parte 1: https://t.co/7xt27Xa7wv
Parte 2: https://t.co/qR00rMLL7y
Parte 3: https://t.co/aqCmsxnLYa

 

Áudios de depoimentos estão disponíveis e “são de interesse público”, afirma juiz

Criticando o vazamento dos áudios dos depoimentos que incriminam o PT e aliados no escândalo do Petrolão, Dilma se disse “estarrecida”. Em resposta, juiz Sergio Moro critica a insinuação de que houve vazamento do conteúdo do depoimento para fins eleitoreiros, e permite acesso a depoimentos de Costa e Youssef:

Os depoimentos prestados na última audiência na ação penal pública não foram ‘vazados’ por esta corte de Justiça ou por quem quer que seja. A sua divulgação, ainda que pela imprensa, é um consectário (efeito) normal do interesse público e do princípio da publicidade dos atos processuais em uma ação penal na qual não foi imposto segredo de justiça

Paulo-Roberto-CostaJustiça dá a CPI, CGU e Petrobras acesso a depoimentos de Costa e Youssef
Depoimentos de doleiro e ex-diretor da estatal podem ser compartilhados, decide juiz

O juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, autorizou nesta sexta-feira que Polícia Federal, Petrobras e Controladoria-geral da União (CGU) tenham acesso aos depoimentos prestados pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef. O material será partilhado também com a CPMI da Petrobras, que investiga negócios ilícitos na estatal. Em depoimento na quarta-feira, Costa disse que PT, PP e PMDB recebiam dinheiro de contratos superfaturados na Petrobras, e Youssef mencionou que a quadrilha chegou a tal nível de sofisticação que era confeccionada uma ata paralela de cada reunião.

Os interrogatórios fazem parte da fase de instrução das ações penais oriundas da Operação Lava Jato. Com o compartilhamento das informações, a Petrobras e a CGU poderão abrir processos internos para investigar as denúncias.

O magistrado criticou insinuações de que houve vazamento do conteúdo do depoimento com objetivos eleitorais, como fez a presidente Dilma Rousseff. Moro explicou em sua decisão que as ações penais da Operação Lava-Jato não estão sob segredo de Justiça e o conteúdo dos depoimentos desta semana não está relacionado com a delação premiada de Costa e Youssef.

“Os depoimentos prestados na última audiência na ação penal pública não foram ‘vazados’ por esta corte de Justiça ou por quem quer que seja. A sua divulgação, ainda que pela imprensa, é um consectário (efeito) normal do interesse público e do princípio da publicidade dos atos processuais em uma ação penal na qual não foi imposto segredo de justiça”, explicou Moro.
(Com Agência Brasil)

Fonte:Veja 

 

PT, esse partidinho que não forma quadrilha, forma máfia.

Ironia do destino, mas exatamente no dia em que veio a público as gravações do processoPT-3depoimento de Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras, dizendo que parte da propina cobrada de fornecedores da Petrobras era direcionada para atender ao PT e foi usada na campanha eleitoral de 2010, recebo através do correio, a citação no processo em que o PT nacional me cobra R$ 50 mil, por dano moral, por eu ter dito que o partido formou uma quadrilha.

É, vai ver eu precise mesmo pagar essa quantia como penitência por ter desmerecido a capacidade do Partido dos Trabalhadores. Eles não formaram uma quadrilha. Eles formaram uma máfia. Pelo depoimento dado pelo ex-diretor da Petrobras, só a parte que veio ao nosso conhecimento agora pela imprensa, isso não é um partido, é uma organização mafiosa.

rui-falcaoSegundo reportagem do G1, que teve acesso aos áudios do depoimento, o ex-diretor contou que o PT recolhia para o seu caixa 100% da propina obtida em contratos das diretorias que a sigla administrava, como, por exemplo, as de Serviços, Gás e Energia e Exploração e Produção. Se o contrato era de uma diretoria que pertencia ao PP, o PT ficava com dois terços do valor e o restante era repassado para a legenda aliada.

“Olha, em relação à Diretoria de Serviços [comandada por Renato Duque], todos sabiam que 2%, dos 3% [cobrados de propina], eram para atender ao PT, através da Diretoria de Serviços. Outras diretorias, como Gás e Energia e Exploração e Produção, também eram PT. [...] O comentário é que, neste caso, os 3% ficavam diretamente para o PT porque eram diretorias indicadas PT com PT”, declarou Paulo Roberto Costa à Justiça Federal.

Ainda ao G1, o presidente nacional desse partido ai, Rui Falcão, enviou uma nota repudiando “com veemência e indignação” as declarações “caluniosas” de Paulo Roberto Costa, dizendo que o PT “desmente a totalidade das ilações de que o partido teria recebido repasses financeiros originados de contratos com a Petrobras” e que o partido estuda a adoção de medidas judiciais.

processoPT-1A mesma “medida judicial” que move contra mim, onde alega que o partido, esse ai, o PT, foi “atingido em sua dignidade” e que esta é “demonstrada pela forma como é vista pela sociedade, sua reputação e imagem ilibadas”.

Segundo a ação, ao dizer: “chame seus amigos, formem uma quadrilha e filiem-se ao PT”, eu “extrapolei o cunho informativo e opinativo, visando desqualificar o partido perante a sociedade”.

processoPT-2De fato, eu desqualifiquei o partido perante a sociedade. Talvez fosse mais justo dizer: “chame seus amigos, formem uma máfia, filiem-se ao PT e arrumem cargos em estatais”.

Rui Falcão se chateou com o fato do vídeo ter tido, segundo a ação, oitenta e duas mil visualizações. Mais uma vez ele está equivocado. 82 mil visualizações só no meu canal do youtube. De acordo com levantamento por cima feito no facebook, já passou de cinco milhões. Isso fora o whatsapp que não tem como mensurar.

Baixe a íntegra da ação que recebi hoje na minha casa e que será enviada amanhã para meu advogado, Dr Fabiano Rabaneda. A citação estava na caixa de correspondências, sem assinatura de recebido. Assim que a defesa for elaborada, publico aqui pra vocês. Veja as imagens da ação no final deste post.

__________________

Rosemary-Luiz-Bueno-440x263(*) O advogado que assina a ação é Luiz José Bueno de Aguiar, advogado do hoje presidiário José Dirceu, que cumpre pena por formação de quadrilha, e foi quem defendeu a ex-amiga íntima de Lula, Rosemary. Ele também assina a defesa de Gilberto de Carvalho, no processo onde ele é acusado de ser o “arrecadador” de propinas cobradas por Celso Daniel para o PT. O fato foi contado pelo próprio Celso Daniel, que infelizmente não pode confirmar, pois foi assassinado.
(**) Máfia = uma organização criminosa cujas atividades estão submetidas a uma direção colegial oculta e que repousa numa estratégia de infiltração na sociedade civil e das instituições.

 

Processo-PT-Nacional-Adriana-Vandoni-1

Processo-PT-Nacional-Adriana-Vandoni-2

Processo-PT-Nacional-Adriana-Vandoni-3

Processo-PT-Nacional-Adriana-Vandoni-4

Processo-PT-Nacional-Adriana-Vandoni-5

Processo-PT-Nacional-Adriana-Vandoni-6

Processo-PT-Nacional-Adriana-Vandoni-7

Processo-PT-Nacional-Adriana-Vandoni-8

Processo-PT-Nacional-Adriana-Vandoni-9

Processo-PT-Nacional-Adriana-Vandoni-10

Processo-PT-Nacional-Adriana-Vandoni-11

 

Ebola no Brasil?

ebolaEstá se alastrando a epidemia de ebola pelo mundo, causando a morte de milhares na África, e mesmo com todo o controle que os países mais desenvolvidos possuem para esses casos, a doença já chegou na Europa e nos EUA.

Não, não podemos fechar os olhos ao risco dessa epidemia chegar ao Brasil, um risco real de chegar e ocasionar a morte de centenas, ou mesmo milhares de pessoas.

Uma pergunta que não quer calar: você confiaria o controle dessa doença no Brasil aos Petistas?

Estou querendo “tacar o terror”? Não, estou sendo realista.

 

As coisas que Éder falou

Blog do Antero

silval-ederNo depoimento dado por Eder Moraes ao Ministério Público Estadual, o ex-secretário de Fazenda afirmou que a Construtora Encomind, atualmente Guaxé Encomind, “doou” para pagamento de dívidas de campanha para prefeituras em 2008, cerca de R$ 12 milhões. O valor, conforme o ex-secretário, teria sido repassado para o grupo político do governador Silval Barbosa.

Para conseguir devolver o dinheiro “doado” pela construtora, Eder explicou ao MP que o pagamento era feito por meio de liquidação de precatórios – passivos que a empresa teria com o Estado, em decorrência de dívidas não pagas do Departamento de Viação e Obras Públicas -, e de operações no banco Bic Banco e em factorings.

Eder também afirmou que todo o sistema de pagamento passava pelo crivo da Procuradoria Geral do Estado, que na época era comandada pelo procurador João Virgílio. “Ele também sabia, era o procurador-geral da época, e os pareceres finais me dando a legalidade para o pagamento ou não tinham que ter a homologação dele, então em muitas situações, ele sabia e várias vezes foi comentado isso. Daí você sabe é retorno para resolver problemas de campanhas que tá em aberto”, disse.

Ao ser questionado pelo promotor Roberto Turin se os pedidos para pagamento foram feitos com prioridade, ele respondeu que sim e ressaltou ainda que não há um processo que foi efetuado pagamento em que “a Auditoria não tenha concordado ou que ela tenha homologado cálculo vindo lá da Sinfra. Agora que tinha o retorno (50% para o grupo do governo) tinha. Isso é óbvio basta observar as liquidações das operações do BIC e a ciranda que foi criada nas factorings”. Ele disse também que existiria uma cobrança de 10% por parte de procuradores emitir o parecer.

Eder revelou ainda que todo o retorno era pago em dinheiro. “Eu mesmo fui buscar na sede da Encomind. Peguei em dinheiro algo próximo de R$ 500 mil, em 2010. (…) Eu entreguei na Assembleia Legislativa, no gabinete da presidência. Mandaram eu entregar lá, o Silval mandou eu entregar lá´”.

Segundo Eder, ele entregou o dinheiro, uma pasta com R$ 500 mil em notas de R$ 100 nas mãos de José Geraldo Riva. “Eu falei deputado o Silval pediu para entregar isso, aí ele disse tá eu já estou sabendo. Pode deixar aí. Na época acho que era uma dívida com um tal de Avilmar se não me falha a memória”.

Ainda conforme o ex-braço direito de Silval, outros secretários também participariam do esquema. Em seu depoimento, ele citou o nome do atual chefe da Casa Civil Pedro Nadaf, como uma das pessoas que buscava o “retorno” – dinheiro que deveria ser devolvido para o esquema, após o pagamento para a construtora.

Montagem do esquema

O ex-secretário elucidou ao MP que a Encomind recebeu os R$ 22 milhões, que era cerca de 70% do valor que era devido, dos precatórios. Ele explicou que a empresa tinha direito de receber a quantia, mas para isso, era necessário repassar valores para o grupo político do governador Silval, cerca de 50% do valor total.

Além disso, Eder disse que foram prometidas várias obras para a construtora.

“Não sei se eles pegaram todas as obras, mas se o senhor (Roberto Turin) ver logo na sequência, ela é vendida para um grupo que está cheio de obras no Estado. Que é o grupo Guachê Encomind, acho que teve a participação de Constil, Todeschini, o proprietário que é o João Todeschini, o Toninho Barbosa, o próprio governador do Estado participou de algumas reuniões que eu vi tratando desse assunto da venda da Encomind”, afirmou.